Saúde dos Idosos

Saúde dos Idosos, você sabe o que significa?

Caro leitor, neste artigo vamos definir termos utilizados nos textos e reportagens sobre a saúde dos Idosos.

A grande variedade de termos e a falta de compreensão dos termos sobre a saúde dos idosos podem acarretar em confusão e mal entendidos, colocando em perigo o bom cuidado dos idosos por seus familiares e cuidadores.

  • VELHO: Na legislação brasileira é considerado a pessoa com 60 anos ou mais. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera acima de 65 anos. Utilizamos a definição da legislação brasileira.
  • IDOSO: É sinônimo da palavra velho.
  • TERCEIRA IDADE: Este termo também é utilizado para referir-se a pessoas velhas, ou seja, acima de 60 anos.
  • QUARTA IDADE: Este termo é mais recente e vem sendo utilizado para referir-se a pessoas com 80 anos ou mais. No Brasil, a população desta faixa etária tem aumentado mais que as demais.
  • IDOSO EM IDADE AVANÇADA: Refere-se à população da quarta idade.
  • LONGEVIDADE: Termo relacionado com a duração da vida. Pessoas longevas vivem muitos anos.
  • INDEPENDÊNCIA: É a capacidade que o indivíduo tem para realizar suas tarefas sem a necessidade de auxílio.
  • AUTONOMIA: É a capacidade que o indivíduo tem para tomar suas próprias decisões; é a capacidade de raciocínio e julgamento para a tomada de decisão.
  • CAPACIDADE FUNCIONAL: Este termo tem relação com as habilidades mentais e motoras de uma pessoa. Habilidade mental é a capacidade de raciocínio e julgamento (autonomia). Habilidade motora é a possibilidade de mover-se com independência. Portanto, para um idoso ser considerado com capacidade funcional, suas habilidades físicas e motoras devem estar íntegras.
  • QUALIDADE DE VIDA: É a percepção do indivíduo de sua inserção na vida no contexto cultural e sistemas de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações (Organização Mundial da Saúde – OMS).
  • SENESCÊNCIA: É o processo natural de envelhecimento. Durante o processo de envelhecimento, perdas funcionais dos sistemas orgânicos vão ocorrendo, porém SEM afetar a capacidade funcional do indivíduo. Portanto, a autonomia (habilidades mentais) e a independência (habilidades motoras/físicas) estão preservadas.
  • SENILIDADE: É o processo patológico de envelhecimento (associado à presença de doenças). Caracteriza-se por um declínio gradual no funcionamento de todos os sistemas do corpo (cardiovascular, muscular, respiratório, ósseo, urinário, etc.) e que não são compensados pelo organismo. As doenças que ganham destaque na velhice são as demências, hipertensão, diabetes, depressão, seqüelas do AVC, Parkinson e artrose. A capacidade funcional e a qualidade de vida que cada indivíduo idoso vivencia é que vai diferenciar o envelhecimento senil do envelhecimento natural (senescência).
  • SAÚDE: A OMS define saúde como o estado completo de bem estar físico, mental e social, e não somente a ausência de enfermidade ou invalidez. A saúde está intimamente relacionado com a capacidade funcional (habilidades mentais e motoras) e com a qualidade de vida (autopercepção) do idoso.

Portanto, um indivíduo pode ter diabetes e ser saudável, concordam? Depende da capacidade funcional e de como ele percebe a própria vida.

  • MOVIMENTOS FUNCIONAIS BÁSICOS: São os movimentos que permitem o mínimo de independência. São eles: rolar na cama, passar de deitado para sentado e vice-versa, passar de sentado para de pé e vice-versa, equilibrar-se sentado, equilibrar-se de pé, caminhar, utilizar os braços e mãos.
  • ATIVIDADE DE VIDA DIÁRIA: São as atividades básicas da vida, como caminhar, alimentar-se, urinar, cuidados pessoais, passear, conversar, entre outros.
  • DOENÇAS CRÔNICO DEGENERATIVAS: São aquelas que vão gradualmente comprometendo as funções vitais. A sua etiologia (causa) é multifatorial e sabe-se que existe uma interação entre comportamento, meio ambiente e perfil genético. As doenças degenerativas atuam de forma evolutiva, ou seja, vão agravando o quadro do paciente com o passar do tempo, e são irreversíveis. Existem tratamentos para controlar a evolução da doença, mas este tipo de patologia ainda não tem cura.
  • GERIATRIA: Tem sob seus domínios os aspectos curativos, preventivos e paliativos da atenção à saúde. Tem uma relação estreita com áreas médicas como neurologia, cardiologia, pneumologia, psiquiatria, entre outras. Além disso, mantém íntima conexão com disciplinas não médicas, como nutrição, fisioterapia, enfermagem, terapia ocupacional, fonoaudiologia, odontologia, entre outros. Portanto, o termo fisioterapia geriátrica está correto (mas isso é tema para outro artigo).
  • GERONTOLOGIA BIOMÉDICA: Tem como eixo principal o estudo do fenômeno do envelhecimento do ponto de vista molecular e celular, também abordando estudos populacionais e de prevenção de doenças.
  • GERONTOLOGIA SOCIAL: Área da ciência que aborda os aspectos não orgânicos do envelhecimento. Portanto, estuda questões antropológicas, psicológicas, legais, sociais, ambientais, econômicas, éticas e políticas.

Espero ter contribuído de alguma forma para a melhor compreensão sobre a definição de termos utilizados nos textos que tratam sobre o envelhecimento humano e a saúde dos idosos.

Considero de grande importância o entendimento sobre a definição de saúde dos idosos, a qual não deve estar relacionada somente com a presença de doenças, mas principalmente com a capacidade funcional e qualidade de vida.

Luciano Chaves
Fisioterapeuta – Crefito 63.178-F

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *